EU VI ANJOS

EU VI ANJOS! *  

Eu sabia dos anjos sobre os quais minha mãe me falava na minha infância. O Anjo da Guarda, por exemplo, que nos protege a mandado de Deus. Ele me era apresentado em estampas com enormes asas e as mãos gesticulando prontidão para proteger as crianças.  Depois soube de outros anjos como o que anunciou o nascimento de Jesus e os serafins que o profeta Isaias viu ao redor do Senhor assentado em alto e sublime trono (Is.6).

Hoje em dia, Anjo até virou moda. Anjinhos que servem de adornos, de lembranças, de presentes. Até secretárias, recepcionistas e telefonistas menos preparadas criaram o hábito de chamar cliente de “meu anjo”.

Mas eu quero mesmo é falar a respeito dos anjos que eu vi. Vim, sim! Só que esses anjos que eu vi e conheci de perto e com os quais até fale, são diferentes daquelas figuras bem pintadas e desenhadas. Não têm rosto de criancinha nem cabelos encaracolados, com cachinhos e topetes caídos na testa. Os anjos que conheci, com os quais fiquei encantado, extasiado e reverente até, não têm semblante tranquilo…. embora nos transmitam muita tranquilidade.

Esses anjos que eu conheci e aprendi a admirar, convicto de que são mensageiros de Deus, são diferentes dos seres humanos  – embora sofram como os seres humanos comuns.

Não são seres sobrenaturais, porém não agem com naturalidade. Suas vestes não são resplandecentes, porém, são, geralmente, brancas embora possam ser verdes, beges, azuis e, às vezes, até desbotadas e amarrotadas. Nunca estão impecáveis, pois suas atividades não que seus trajes estejam impecáveis. Impecáveis são suas mãos habilidosas, são suas atenções fixas nos gestos e nos sintomas de quem os rodeiam. Seus ouvidos estão atentos aos sinais dos alarmes dos muitos aparelhos que estão à sua volta que podem tocar intermitentemente. Sua atenção está voltada para uma lágrima vertida ou para a tentativa de um sorriso a se esboçar no rosto inerte de alguém.

Estes anjos choram em silêncio com o gemido de quem sofre ao seu lado, e dão pulos de alegria com o tênue sinal de melhora de alguém que já estava sem esperança.

Esses anjos existem. Sim, existem. São vocacionados por Deus. Mensageiros de Deus. São os braços de Deus; as próprias mãos de Deus; são o toque de Deus, trazendo alento aos que sofrem, afofando-lhes o leito da dor, conforme disse o salmista (Sl.41,3).

Ah, como é lindo o sorriso desses anjos. Como é resplandecente o semblante desses anjos. Como é bom ter a certeza de que esses anjos existem e estão por perto na hora da dor.

Sim. EU VI ANJOS. Eles não “aparecem”. Eles estão sempre lá nas UTIs, nos hospitais, nas clínicas e home cares.

Como é maravilhoso pronunciar os nomes desses anjos: ENFERMEIROS, TECNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM e DEMAIS PROFISSIONAIS DE SAÚDE.

Graças a Deus porque esses anjos existem! Existem sim. Eu os vi.

* Texto de ELIAS AZULAY – Prof. Aposentado da UFMA, Jornalista, Relações Públicas.

São Luís, Ma.12/04/2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *