Prof. Carlos Augusto Santos

A MALDADE PRESIDENCIAL DO DIA

Ofuscado pelos desdobramentos que cercaram a demissão do ex-ministro Moro, sua “delação” ao vivo e a resposta vespertina do circunlóquio presidencial, o veto INTEGRAL da PROFISSÃO DE HISTORIADOR somente hoje veio à baila nas redes sociais. Que já era esperado esta atitude, todos já sabíamos. Agora, resta ao Congresso Nacional rejeitar o VETO e por fim numa luta de décadas pelo reconhecimento.


No entanto, fico aqui pensando com meus botões, como fica a cabeça de alunos que fazem faculdade de história e professores que votaram neste sujeito. Quais serão as explicações? Há de ter algumas e não me venham contestar com o discurso juridiquês, que esse serve para explicar tudo, até o inexplicável. Boa semana a todos!

Prof. Carlos Augusto Santos

Camocim, 27/04/2020. 41º Dia de Quarentena.

Os historiadores saberão contar

Raimundo Nonato Rodrigues de Souza estuda a escravidão no Ceará; enquanto viveu Aparecida se dedicou na organização de arquivos em Pernambuco e no Ceará; Agenor Soares Silva Júnior, se ocupa de entender como o sagrado se constitui nos espaços urbanos cearenses; Denis Melo Melo, vive a prescrutar as práticas letradas e os sons citadinos da heráldica Sobral; Edvanir Silveira, por seu turno, pesquisa sobre a política das cidades do noroeste cearense em tempos de ditadura; Antônia, adentrou nas memórias do homem sertanejo para entender as migrações deste; Carlos Augusto Santos, procura vislumbrar as experiências dos trabalhadores urbanos ao longo do leito da extinta Estrada de Ferro de Sobral.


Eles estiveram reunidos em Camocim no início dos anos 2000, não para esperar o trem e seguir viagem. Mas, para socializar estes temas entre si num planejamento do Curso de História da UVA. Naquela época, já sonhavam e discutiam a possibilidade de um dia serem reconhecidos como profissionais da História. Tantos outros e outros tantos, em outros cantos continuam na tarefa de dar significados aos fatos históricos.

Professores de História da Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA


O tempo passou e muito se aprimorou e se transformou o projeto de regulamentação da profissão de historiador. Ao tempo dos políticos o mesmo foi aprovado e levado à sanção presidencial.
Quis o tempo que ele viesse nestes tempos tormentosos e, na barafunda diária que preside o desgoverno atual, o veto veio de maneira INTEGRAL, talvez por não ter argumentos sólidos para sua efetivação, preferiu-se a opção odiosa de quem nega a própria história.


Os historiadores saberão contar esta história futuramente, seja revivendo momentos fotográficos, na trincheira da luta ou na espera insana de ver seus esforços, suas pesquisas, recompensados e reconhecidos, firmes na vigilância que lhes são peculiares.

Prof. Carlos Augusto Santos

Camocim, 27/04/2020. 41º Dia da Quarentena

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *