Dia: 22 de maio de 2020

LITERATURA CEARENSE:

VIVA OS BONS PROFESSORES!     texto de  Leunam Gomes

Tenho sido um intransigente defensor de Professores. Considero uma profissão imprescindível. Basta imaginar o que seria da vida sem eles e elas. O professor tem um poder incrível para ajudar a transformar vidas. Tenho dito, em algumas aulas de cursos de Licenciaturas, que o poder de um Professor é bem maior do que um grande prêmio de loteria.

Há Professores e Professoras que fazem verdadeiros milagres nas escolas. Conseguem resultados extraordinários. São interessados, pesquisam, estudam, compram livros, trocam experiências, criam laços com os alunos e suas famílias, estão atentas aos indicadores das escolas e de sua própria turma. Sabem conversar, dão atenção aos alunos, ouvindo-os e valorizando o que dizem. E conseguem êxitos, apesar dos salários, sempre aquém da dedicação.

Mas, como em todas as categorias, há pessoas que ocupam a função de Professores sem a mínima vocação. Já ouvi, direta e indiretamente, de alguns: “Detesto ser Professor”, “Vou para a sala de aula como quem vai para uma forca”, “Sala de aula, para mim, é um martírio”.  Estas e outras frases semelhantes são ditas, explicitamente. Outras formas de insatisfação, se manifestam com relação às palestras, encontros, cursos de formação de Professores e até mesmo em relação às reuniões normais das escolas: “Lá vem a mesma conversa”, “Vão dizer tudo que a gente já sabe”, “Estou cansada de ouvir”, “Essas reuniões não dão em nada”. 

Os queixosos são sempre os mesmos e sempre arranjam culpados para seus fracassos escolares. Sem falar nas costumeiras lamentações sobre os salários. Quase sempre, com razões de sobra. Estes, que assim se comportam, será que são bons professores ou fazem mal aos alunos? Muito há, porém, que não fazem bem os seus trabalhos por que não querem. Outros, talvez a maioria, porque não sabem. Como diz a sabedoria popular: “Por causa de um grito, se perde uma boiada”.

Muitos tiveram uma formação muito teórica ou apenas com receitas não experimentadas e, portanto, não sabem como fazer melhor. Tentam imitar os seus bons professores, mas não possuem a competência e nem a experiência suficiente.

Digo isto por experiência própria. Houve um momento em que não tinha o menor prazer em ir para uma sala de aula, como Professor. Era, de fato, um sacrifício. Até quando experimentei uma forma diferente de conduzir a aula, criando oportunidade de participação para os alunos. E tudo mudou. Daí em diante, e já se vão quase cinquenta anos, descobri o prazer da sala de aula. E tenho certeza, pelas avaliações que faço, de que os meus alunos gostam.

Os testemunhos são os melhores possíveis. E eles estão escritos em meu livro PROFESSOR COM PRAZER – Vivência e Convivência na Sala de Aula.

E o que fazer com os professores desmotivados ou maus professores? Um dos caminhos é a avaliação. Não aquela avaliação para punir, para encontrar erros, mas para encontrar caminhos, ajudar no crescimento. Que os alunos tenham chance de avaliar os seus professores, especialmente, considerando o relacionamento com a turma, a competência e o compromisso. Esta sugestão se baseia em experiência realizada com sucesso. Os resultados das avaliações foram entregues, pessoalmente, a cada Professor, numa conversa particular. Geraram mudanças.

Às vezes, um simples remanejamento poderá fazer o Professor descobrir novas motivações para o trabalho. Mas o importante é que, estando na sala de aula, faça-o com prazer. Só se faz bem aquilo que nos dá alegria e prazer. A seguir, estão algumas observações e recomendações, já experimentadas, e que deram ótimos resultados.

Leunam Gomes

Curso on-line de EDUCAÇÃO BIOCÊNTRICA

Modulo 1: Conceituando a Educação Biocêntrica

– Aula 1: Concepção, fundamentos da Educação Biocêntrica e Tendências Pedagógicas: Facilitadora: Ruth Cavalcante – Universidade Biocêntrica

Data: 30/05/2020 – Hora: das 10hs as 12:30hs

– Aula 2: História e Expansão da Educação Biocêntrica:

Facilitadores: Augusto Madalena (Espãnha) e Mariela Caviglia (Argentina)

Data: 30/05/2020 – Hora: das 14:30hs as 17hs

– Aula 3: Funções Pedagógicas, criando Ambiência de Aprendizagem-Desenvolvimento:

Facilitadora: Ruth Cavalcante – Universidade Biocêntrica

Data: 13/06/2020 – Hora: das 10hs as 12:30hs

Módulo 2: Paradigma e Marcos Epistemológicos da Educação Biocêntrica

– Aula 4: Paradigmas Civilizatórios, Cultura Biocêntrica:

Facilitador: Cezar Wagner L. Góis – Universidade Biocêntrica

Data: 13/06/2020 – Hora: das 14:30hs as 17hs

– Aula: 5: Marcos Epistemológicos da Educação Biocêntrica (Princípio Biocêntrico, Pensamento Complexo, Educação Dialógica):

Facilitador: Cezar Wagner L. Góis – Universidade Biocêntrica

Data: 27/06/2020 – Hora: das 10hs as 12:30hs

Modulo 3: Metodologia da Educação Biocêntrica

– Aula 6: Categorias Básicas da educação Biocêntrica e Método Integrativo Biocêntrico (reflexão-diálogo-vivência-ação):

Facilitadora: Sara Góis – Universidade Biocêntrica

Data: 27/06/2020 – Hora: das 14:30hs as 17hs

– Aula 7: Vivência Pedagógica. Obra-Síntese como sistematização do vivido e aprendido

Facilitador: Sara Góis – Universidade Biocêntrica

Data: 11/07/2020 – Hora: das 10hs as 12:30hs

Módulo 4: Vivência Pedagógica e a Atuação em Educação Biocêntrica

– Aula 8: Os Elementos da Vivência Pedagógica

Facilitador: Rozane Alencar – Universidade Biocêntrica

Data: 11/07/2020 – Hora: das 14:30hs as 17hs

– Aula 9: Inserção Etno-Vivencial

Facilitador: Carmen Paula Menezes – Universidade Biocêntrica

Data: 25/07/2020 – Hora: das 10hs as 12:30hs

– Aula 10: Áreas de atuação e suas práticas em Educação Biocêntrica na Escola e na Família

Facilitador: Zeza Weyne (Universidade Biocêntrica) e Ruby Alba (Colombia)

Data: 25/07/2020 – Hora: das 14:30hs as 17hs

– Aula 11: Áreas de atuação e suas práticas em Educação Biocêntrica na organização e empresa

Facilitador: Melina Barbosa (Universidade Biocêntrica) e Rakel Ampudia (Espanha)

Data: 08/08/2020 – Hora: das 10hs as 12:30hs

– Aula 12: Áreas de atuação e suas práticas em Educação Biocêntrica na comunidade

Facilitador: Cleusa Denz (Universidade Biocêntrica) e Lucia Botaro (Argentina)

Data: 08/08/2020 – Hora: das 14:30hs as 17hs

– Aula 13: Áreas de atuação e suas práticas em Educação Biocêntrica nos movimentos sociais e na Saúde

Facilitador: Rozane Alencar (Universidade Biocêntrica) e Rosaura Couto (Moradia e Cidadania) e Fernanda Pinto (Portugal)

Data: 22/08/2020 – Hora: das 10h as 12:30hs

Módulo 5: Acompanhamento, Avaliação e Celebração da Colheita em Educação Biocêntrica

– Aula 14: Processo de Acompanhamento e Avaliação em Educação Biocêntrica

Facilitador: Sara Góis e Rozane Alencar (Universidade Biocêntrica)

Data: 22/08/2020 – Hora: das 14:30hs as 17hs

– Aula 15: Comunicação Afetiva – substituindo nosso vocabulário bélico e violento; e construindo uma comunicação cuidadosa e afetiva

Facilitador: Ruth Cavalcante e Carla Weyne (Universidade Biocêntrica)

Data: 05/09/2020 – Hora: das 10hs as 12:30hs

– Aula 16: Rituais de Vínculos e Celebração da Colheita com a Apresentação das Obras-Sínteses:

Facilitador: Ruth Cavalcante (Universidade Biocêntrica) e Hilda Restrepo (EUA)

Data: 05/09/2020 – Hora: das 14:30hs as 17hs

Seguiremos sempre, UNIDOS! (por Aninha Martins)

E, de repente… Tão de repente! Formou-se uma tempestade gigante e uma pesada nuvem escura pairou sobre o mundo. Nos recolhemos, procurando nos abrigar e abrigar os nossos. Procurando nos defender…

E assim, passamos por dias totalmente escuros, nos sentindo desolados e perdidos…  Mas a vida continuava e precisávamos seguir, seguir ao lado dos outros. Mas como?

Foi aí, que todos, em seus lares, começamos a buscar uma maneira, eficaz e segura. Todos tentando, errando, acertando, divergindo e buscando apoio… E como dar as mãos? Se não podemos nos tocar? Até que desenvolvemos uma maneira infalível de nos tocarmos e nos unirmos pelo coração. Uma forma de dar assistência aqueles que precisam e/ou dependem de nós…

Foi mais ou menos assim… Vestimos nossa capa de coragem, empunhamos nosso escudo de entusiasmo e seguimos em frente, dando as mãos aos que encontrávamos pelo caminho, cheio de obstáculos e muitos desafios, mas sempre confiantes.

Lutamos contra um inimigo poderoso que não conseguimos enxergar, mas firmes e fortes porque somos muitos e a união nos faz maiores.

Então, usei essas metáforas para amenizar o árduo trabalho que estamos desenvolvendo a cada dia, em meio a tantas incertezas, medo e vontade de acertar. Somos, realmente, heróis e heroínas, uma vez que temos que trabalhar dobrado, sem hora certa pra começar ou terminar, nos reinventamos a cada instante e, somos desafiados a lidar com o novo.

Precisamos de apoio e compreensão em cada vez que cometermos algumas falhas. Queremos entendimento para conseguir fazer o nosso melhor e atender aos nossos alunos e ter a parceria dos pais que, nesse momento são também, mediadores de conhecimentos.

Precisamos de espaço e ser acolhidos para diminuir nossa carga que, embora a carreguemos com satisfação e amor, às vezes, pesa. Mas, ao mesmo tempo, se torna leve, pois dividimos um pouco com cada um que nos dá apoio, que se une a nós.

Seguiremos sempre, UNIDOS!

Escritora Aninha Martins, de Ipu