Dos Betanistas

Dirceu Azevedo Vasconcelos

Subi o monte

Virei a primeira página do livro da minha vida

Fui julgado, absolvido e amado

Amei mais do que fui amado

Vivi a madrugada e muito pouco o pôr do sol

Andei no meio da multidão sozinho

Chorei baixinho no canto do salão

Subi o monte, para de cima, ver-te melhor!

Não mais desci

Vivo hoje, no alto do morro, perto das estrelas

Lua como amiga

Conversamos muito, e cada dia entendo mais as estrelas do que você!

Um dia descerei do morro amando mais,

Pois, aprendi com as estrelas,

Que para amar, tem que ter luz própria

E o coração sempre disposto a amar.

Subirei o monte sempre que necessário

Quando cai a noite, cintilantemente, conversamos!

Temos nosso código secreto!

Ah! Estrelas andam cintilando mais do que o costume!

Algum astro as ameaçam!

Astro sem coração, deixes minhas estrelas!

Elas estão chorando!

No meu quarto, pedaços de estrelas, entram pela minha janela,

Enchendo-me de luz, que me move nesta escuridão

Da vida que levo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *